London_fogNS.jpg
PN014.jpg
PN013.jpg
PN012.jpg
PN011.jpg
PN010.jpg
PN009.jpg
PN008.jpg
PN007.jpg
PN006.jpg
PN005.jpg
PN004.jpg
O Portal Nicole é um fã site feito de fãs para fãs, não temos qualquer contato com a Nicole Scherzinger, ou com seus familiares e agentes. Os artigos e traduções publicados aqui são feitos pela equipe, e são de propriedade do site e qualquer reprodução, mesmo parcial deverá ser comunicada ao site antes de sua publicação. As imagens e vídeos publicadas no site, são de propriedade de seus criadores, divulgamos com o intuito de manter os fãs atualizados. Não temos a intenção de infringir qualquer direito. Antes de qualquer ação, por gentileza entrar em contato pelo nosso E-MAIL.
Entrevista completa e traduzida para The Glossary
dez 14 2023

Nicole Scherzinger é capa e recheio da revista The Glossary e falou sobre seu atual momento de carreira, interpretando Norma Desmond em Sunset Boulevard nos palcos de Londres. Confira a entrevista completa e traduzida:

A incomparável Nicole Scherzinger nos fala sobre perfeccionismo, o poder da reinvenção e os perigos da fama.

Nicole Scherzinger encapsulou uma certa era dos anos 2000, vendendo milhões de discos de sucesso como vocalista principal das Pussycat Dolls e mais tarde tornando-se uma das faces mais reconhecíveis na televisão britânica. Agora, ela está entrando em um novo capítulo, mudando-se para Londres em tempo integral e conquistando o West End com sua deslumbrante performance em Sunset Boulevard. Aqui, a superestrela internacional fala conosco sobre se estabelecer na vida londrina e brilhar no palco.

Estou sentada no bar superior do Savoy Theatre com Nicole Scherzinger, e tenho que admitir que estou surpresa. Cheguei à entrevista com certos pré-julgamentos sobre como seria conhecer a popstar e personalidade de televisão incrivelmente bem-sucedida. Estamos aqui para falar sobre seu papel como Norma Desmond, a estrela de Hollywood em decadência que Nicole está retratando atualmente no palco na bem-sucedida produção do West End de Sunset Boulevard, de Andrew Lloyd Webber e Jamie Lloyd. Mas quando começamos nossa conversa, Nicole não é nada como eu tinha imaginado. Vestida de maneira informal com um macacão azul, botas de inverno robustas e um gorro de lã, a mulher de 45 anos fala suavemente e surpreendentemente séria. Além desses traços esculpidos de felino e do batom roxo profundo delineando seus lábios generosos, há pouco indício da personagem extravagante que estamos acostumados a ver em nossas telas, seja como vocalista principal das Pussycat Dolls ou como jurada em programas de talentos como The X Factor e The Masked Singer.

Se essa é a Nicole com a qual estamos mais familiarizados, aquela que vendeu sucesso após sucesso e acumulou seis milhões de seguidores no Instagram, então seu mais recente papel como Norma Desmond é um passo consciente para longe disso. A atuação de Nicole como a esquecida estrela do cinema mudo – pela qual ela recebeu críticas entusiasmadas – é uma obra-prima, surpreendentemente visceral e crua. “As pessoas que vêm ver o espetáculo verão muitos lados de mim”, diz ela. “Lados que nem sabiam que existiam. Sempre senti que estava arranhando a superfície do meu potencial. Orei por muito tempo pelo espetáculo certo – e então este surgiu. Foi um presente. Um papel verdadeiramente icônico para a vida.”

Sunset Boulevard marca o retorno de Nicole ao palco após quase uma década, quando ela estrelou como Grizabella na revitalização de 2014 do musical Cats de Lloyd Webber no West End. O papel lhe rendeu uma indicação ao Olivier, mas as coisas azedaram depois que ela desistiu da corrida da Broadway do show no último minuto para voltar ao Reino Unido como jurada do X Factor. Lloyd Webber não ficou satisfeito. “Estou furioso porque realmente acredito que ela é a garota mais fantasticamente talentosa, e eu me arrisquei para tê-la no London Palladium aqui, e isso faz de mim um completo idiota com todos eles”, ele foi citado dizendo na época.

Claramente, os dois enterraram o machado de guerra, já que aqui ela está aparecendo em outro dos musicais dele. Quando pergunto como está o relacionamento deles agora, ela me diz: “Andrew é um apoio enorme – quando ele acredita em você, ele faz você querer ser o seu melhor para ele”. Então, se Sunset Boulevard acabar sendo transferido para a Broadway – como é rumores que acontecerá – ela irá dessa vez? “Sim. Sempre sonhei em ir para a Broadway e ainda não posso acreditar que nunca fiz isso. E que maneira linda seria fazer minha estreia.”

Essas luzes brilhantes da Broadway parecem cada vez mais prováveis desde que o espetáculo conquistou dois cobiçados prêmios no Evening Standard Theatre Awards, que aconteceram alguns dias após nossa entrevista e sessão de fotos. Jamie Lloyd levou para casa o Prêmio Milton Shulman de Melhor Diretor, enquanto Nicole conquistou o prêmio de Melhor Performance Musical. Em uma ligação de acompanhamento alguns dias depois, pergunto o que a vitória significou para ela. “Quando entrei na sala, fiquei um pouco surpresa”, ela me conta. “Estava sentada ao lado de Sir Ian McKellen, Elton John, Tom Hiddleston – todas essas estrelas e atores brilhantes. Foi muito. Mas foi incrível saber que todo o meu trabalho árduo estava sendo reconhecido. Sinto-me muito honrada por fazer parte da comunidade teatral de Londres, e parece que eles realmente me abraçaram e aceitaram. Então, ganhar esse prêmio foi realmente especial.”

Para se preparar para o papel, Nicole diz que buscou o máximo de paralelos possível entre ela e Norma. “Eu realmente queria entender a personagem de um ponto de vista muito pessoal e íntimo, então passei muito tempo decompondo as seções por experiências na minha própria vida, para me relacionar com ela de forma mais emocional”, ela diz. Quando pergunto sobre quais eventos específicos de sua vida, ela parece pensativa. “Me relacionei com seus sonhos, sua criatividade, sua paixão”, diz ela suavemente. “Mas, por outro lado, posso me relacionar em ser parte de uma indústria onde você se sente descartada ou desacreditada ou ignorada.”

No auge nos anos 2000, as Pussycat Dolls foram uma das bandas mais famosas do mundo, vendendo mais de 54 milhões de discos. Mas após a separação em 2010, Nicole teve dificuldades em atingir os mesmos picos em sua carreira solo. “Também passei por minhas próprias dificuldades em relacionamentos, onde tive sentimentos de solidão e vazio”, ela continua. Nicole teve um relacionamento muito divulgado e intermitente com o piloto britânico de Fórmula 1 Lewis Hamilton e depois namorou o jogador de tênis Grigor Dimitrov antes de conhecer seu noivo, o ex-jogador escocês de rugby Thom Evans, em 2019. “Muito disso é Norma, e consigo me relacionar com tudo isso.”

Naturalmente, quando o elenco de Sunset Boulevard foi anunciado, muitos acharam que Nicole era jovem e bonita demais para interpretar a famosa e desgastada Norma. Eu mesma estava cética enquanto me preparava para assistir ao espetáculo. Mas eu não precisava ter sido – Nicole incorpora totalmente o papel. Na produção despojada de Lloyd, ela passa o tempo todo no palco descalça, usando apenas um vestido de seda preto, seu longo cabelo arrastando-se pelos ombros. Um dos destaques da encenação de Lloyd é o uso inteligente de câmeras, usadas para criar close-ups dos rostos dos personagens, que são então ampliados e projetados em uma tela enorme. Através dessa técnica, os traços normalmente impecáveis de Nicole aparecem enlouquecidos e distorcidos. Sua interpretação de Norma é histriônica, melodramática e absolutamente cativante. Parece um papel para o qual Nicole nasceu para interpretar. Ela claramente concorda: “Sinto que tenho me preparado a vida toda para este papel”.

Nascida em Honolulu, Havaí, de uma mãe havaiana-ucraniana e um pai de ascendência filipina, Nicole cresceu em um bairro pobre da cidade. Seus pais se separaram quando ela era bebê, e sua família materna se mudou para Louisville, Kentucky, quando ela tinha seis anos, com sua meia-irmã Keala e seu padrasto germano-americano Gary Scherzinger. Apesar de ter apenas uma irmã, Nicole cresceu como parte de uma família grande e muito unida – sua mãe tinha 10 irmãos e irmãs, e sua avó tinha 18.

Ela é conhecida por sua forte ética de trabalho – foi apelidada de a mulher mais trabalhadora no show business. “Eu realmente me esforço pela grandeza. Só quero que tudo o que faço – não importa o quão grande ou pequeno seja – seja ótimo, que faça valer a pena”, diz ela. “Muito disso vem da minha família. Somos construídos como guerreiros; simplesmente persistimos e nunca desistimos. É essa necessidade de sempre ser melhor, de ser a melhor. Minha mãe disse que mesmo quando criança, eu era uma perfeccionista. É minha maior bênção e minha maior maldição, mas é isso que me trouxe até onde estou hoje.”

Ela cita o momento em que ouviu Whitney Houston cantar “Greatest Love of All” como o momento em que percebeu que queria estar na música, e, ainda jovem, foi para uma escola de artes cênicas em Louisville para se especializar em teatro musical. Os estudos de Nicole foram interrompidos em 1999 para cantar como vocal de apoio para a banda de rock Days of the New, antes de fazer parte do grupo feminino Eden’s Crush em um reality show. Após a dissolução do grupo, ela soube que os renomados produtores musicais Jimmy Iovine e Ron Fair estavam realizando uma audição aberta para um novo grupo musical.

Nicole fez uma audição bem-sucedida e tornou-se a vocalista principal das Pussycat Dolls, que explodiram na cena musical em 2005 com seu primeiro single, “Don’t Cha”. Ela rapidamente se tornou a membro mais famosa da banda, e o grupo vendeu milhões de discos em todo o mundo. Também ficaram conhecidas por suas coreografias sensuais e figurinos provocativos, muitas vezes em contraste com a educação relativamente conservadora de Nicole como neta de um bispo católico. Quando pergunto a ela como ela acha que a experiência de ser uma mulher na indústria mudou desde então, ela se refere ao surgimento das redes sociais como um ponto de diferença significativo.

“Estamos em uma era de influenciadores, onde as coisas não são mais baseadas no talento, mas na estética”, diz ela. “Agora, estou competindo com TikTokers, o que acho louco. Pessoas que têm coisas significativas a dizer nem sempre são aquelas que recebem curtidas, e não posso dizer que não fico triste com isso. Mas quando eu estava planejando a reunião com as Dolls [em 2020], eu queria que fosse uma reinvenção de nós. E eu disse, ‘Okay, o que eram as Pussycat Dolls naquela época?’ Era sobre mulheres querendo ser atraentes e sensuais para agradar aos outros, para agradar aos homens. A maior diferença hoje é que o que é realmente sexy são mulheres que querem agradar a si mesmas. Mulheres que querem ser sensuais para si mesmas. Então, acho que progredimos muito.”

Nicole é a verdadeira polivalente, habilidosa tanto em comandar o palco e soltar a voz quanto em cativar audiências na televisão em horário nobre ou atuar em um filme de sucesso (ela estrelou em “Moana” da Disney e “Homens de Preto 3”). Mas quando pergunto como ela se definiria, ela parece momentaneamente em dúvida. “Bem, o Prince sempre dizia: ‘O que pagou pela sua casa?’ E definitivamente foi a minha voz”, ela ri. “Então, acho que teria que dizer cantora internacional.”

Ela me diz que tem trabalhado em novas músicas no último ano, e embora não queira revelar muito, ela diz: “É a coisa mais honesta, corajosa e autêntica que já fiz na música. As músicas são muito grandiosas. Meu nome, Nicole, significa vitória, então é muito importante para mim que toda a minha música tenha um elemento empoderador, elevador, incentivador. Eu preciso disso. Luto com muitos dos meus próprios demônios e inseguranças, então é vital para mim que toda a minha música tenha um lado positivo.”

Depois de anos morando em Los Angeles, o lar de Nicole é agora Londres, com seu noivo, Thom. O casal se mudou permanentemente em setembro e mora em Covent Garden. “Esta cidade me mantém trabalhando, então eu adoro aqui”, diz Nicole. “Estar em Londres parece como voltar no tempo. Permanentemente sinto que estou em uma versão inglesa de ‘Meia-Noite em Paris’ de Woody Allen, porque tudo é tão antigo e histórico.” Se ela ama o Reino Unido, parece que o sentimento é recíproco.

Em maio, Nicole foi escolhida para se apresentar no concerto de coroação do Rei no Castelo de Windsor, onde subiu ao palco ao lado do pianista de renome mundial Lang Lang. Ela lista a experiência como um de seus momentos mais orgulhosos. “Se você colocar as coisas em perspectiva, eu sou uma garotinha que nasceu no lado pobre da ilha de Oahu, no Havaí. Eu não vim de dinheiro. Minha mãe me teve quando tinha 18 anos e me criou sozinha. Ir de lá para se apresentar diante do Rei, em um país que eu amo verdadeiramente – isso foi um momento culminante para mim.”

Embora ela admita que não sai tanto quanto gostaria no momento devido à sua agenda rigorosa – ela se apresenta seis dias por semana, com duas matinês – quando pode, seus lugares favoritos incluem o The Maine Mayfair, onde vai para ostras; o restaurante do hotel NoMad para os assados de domingo – “Sou obcecada por assados, literalmente tenho um todo domingo”; e o Rosewood para noites românticas. “Este é um hotel muito especial para mim, pois é onde tudo começou para mim e Thom”, diz ela com um sorriso. “Acabamos de ir lá para o nosso aniversário, na verdade. Adoro ir por volta do Natal, é tão festivo.” Quanto ao que resta em sua lista de coisas para fazer na capital, ela diz que uma visita ao Oswald’s, o clube exclusivo de membros de Robin Birley, está no topo de sua agenda. “Coloque isso no artigo – quero que me convidem”, ela diz com ironia.

A conversa vira para a moda, e ela me conta o quanto gostou de experimentar a nova direção de estilo em nossa sessão de fotos; tanto que ela usou o terno corset branco de Sabina Bilenko no GQ Men of the Year Awards alguns dias depois. Quando pergunto o que ela gosta no estilo britânico, ela diz que é o fato de ser tão diferente da maneira como as mulheres se vestem em Los Angeles. “Lá, todo mundo está sempre de jeans e camiseta. Aqui, as pessoas realmente se vestem, e eu adoro isso. Posso sair em Londres usando um vestido Alexander McQueen e ninguém acha que é chique. Isso é normal. As coisas são um pouco mais sob medida, um pouco mais refinadas aqui.” Ela gosta de usar a moda para refletir seus humores e descreve seu estilo pessoal como “chique mas ousado. Gosto de looks mais estruturados hoje em dia, algo elevado e elegante. Mas sempre tem que ter uma borda, para ter força e poder.”

Quando se trata de fazer compras, ela nunca deixa de encontrar algo para comprar na Dover Street Market – “um dos melhores lugares em Londres, eles têm tantos designers excelentes lá” – e lista The Library em South Kensington e a Selfridge’s como favoritos, além do Portobello Market para peças vintage. Ela é fã da Burberry e Vivienne Westwood, e descreve seu guarda-roupa como “ecletico”, mas diz que também tem muitas peças básicas que são seus clássicos favoritos, incluindo dois trench coats – um camel da Burberry e um preto da Dior – que são um “must-have na Inglaterra”, jeans vintage Levi’s e suéteres desconstruídos de Ann Demeulemeester. Quando se trata de inspiração de estilo, Nicole cita uma fonte surpreendente: Norma Desmond.

“Eu simplesmente amo como ela mantém tudo muito simples com seu vestido preto”, diz ela. “Trabalhei com a figurinista do espetáculo, Soutra [Gilmour], por muito tempo, porque queria que fosse super clássico, mas usando um tecido rico, porque o material é tudo. Eu venho de uma origem muito pobre, mas tenho o gosto mais caro, e escolhi o material mais caro possível para o vestido de Norma Desmond. É como seda, mas tem um brilho específico no palco, então, quando atinge a luz, às vezes parece molhado, mas também tem essa textura quase animal, semelhante a pele. É um conjunto tão simples, mas faz uma declaração poderosa. É assim que eu vejo as roupas: menos é mais.”

Quanto a manter a forma, isso é cortesia de várias sessões com seu personal trainer, Eddie Scott-Bennin, a quem Nicole credita por mantê-la em excelente forma. Para relaxar, ela conta com massagens esportivas semanais em casa, onde “literalmente têm que esculpir em mim, porque sou construída como um cavalo”. Ela também diz que entrar em um banho quente é uma de suas maneiras favoritas de relaxar. “Eu amo aromaterapia, eu amo flores, eu amo velas. Essas pequenas coisas fazem uma enorme diferença.” Quando se trata de conseguir uma pele radiante, ela credita as visitas regulares à esteticista Nilam Holmes, que tem Kate Moss e David Beckham entre seus outros clientes. “A Nilam é simplesmente incrível”, diz Nicole. “E para cuidados com a pele e maquiagem, eu sempre vou à Space NK, porque eles têm a melhor seleção.”

Ela viaja muito, tanto a trabalho quanto a lazer, indo para o Havaí sempre que pode, onde sua família ainda mora. Embora ela não revele muitos detalhes sobre os planos para seu próximo casamento, a cerimônia será realizada lá, conduzida pelo seu avô, e ela comprou recentemente um terreno na ilha. “Meu sonho sempre foi voltar para casa, porque meus avós estão envelhecendo e eu quero passar mais tempo com eles”, diz ela. Apesar de apreciar seu novo papel como uma britânica adotada, suas raízes havaianas são importantes. “O Havaí é uma terra muito especial e tenho aprendido conscientemente muito mais sobre nossa história e nossa cultura. Tenho conversado com anciãos na ilha para me educar e me reconectar. Isso me ajudou a entender muito mais sobre mim mesma.”

Quando os incêndios florestais devastaram o Havaí em agosto, Nicole ficou arrasada. “Eu queria poder ter feito mais por Lahaina”, diz ela. “Eu não pude voar de volta para casa, porque estava aqui, mas eu doei dinheiro.” Ela postou repetidamente para seus milhões de seguidores no Instagram, instando-os a doar e ajudar a arrecadar fundos para as famílias afetadas. Ela também se juntou ao esforço da Cruz Vermelha para arrecadar fundos para as vítimas, gravando um vídeo emocionado no qual instava as pessoas a doar.

Para Nicole, é importante garantir que ela use sua plataforma como uma força para o bem. “Estamos todos aqui por um propósito”, diz ela. “Estamos todos aqui para ser de serviço e ajudar os outros.” Ela é embaixadora global das Olimpíadas Especiais e se apresentou na Cerimônia de Abertura de 2015 em Los Angeles. Nicole tem uma conexão especial com os jogos, tendo crescido intimamente com sua tia, que tem síndrome de Down. Ela também é uma forte defensora contra o tráfico humano e sexual. “É um tópico tão horrível e repugnante, especialmente quando envolve crianças, que as pessoas muitas vezes evitam. É por isso que acho tão importante trazê-lo à tona. Seria muito mais fácil apenas fingir que não existe.”

Estou ciente de que nosso tempo juntos está chegando ao fim – Nicole precisa se preparar para a apresentação daquela noite. Eu pergunto a ela se ainda há coisas que ela quer alcançar. “Um milhão de coisas”, diz ela. “Quero escrever meu próprio musical e fazer um filme musical a partir dele. Quero ter minha própria turnê mundial.” Ela se vê voltando ao palco novamente? “Sim, acho que sim.” Ela hesita. “Não vou mentir; o teatro é brutal. Oito shows por semana? Estou exausta. Mas eu amo o palco. E, por mais exaustivo que seja, este é o momento em que mais me sinto realizada. E eu sei que tenho muito mais a dar – muito mais.”

Eu digo a ela que não duvido disso por um segundo. Este papel parece ser mais uma em uma longa linha de reinvenções para Nicole, que passou de jovem atriz de teatro musical a estrela pop mundialmente famosa, ícone global da televisão e aclamada atriz de teatro ao longo de sua carreira. Antes de ela sair, eu tenho que perguntar, o que a palavra “reinvenção” significa para ela? “Para mim, significa estar sempre evoluindo, nunca ficar no mesmo lugar, nunca ter muito medo de experimentar coisas novas. Ser corajosa e audaciosa. Isso é o que estou fazendo neste show. Todos os meus medos, todas as minhas inseguranças, todas as minhas emoções, cada parte de mim está sendo exposta”, ela pausa. “É isso que a reinvenção exige – a coragem de mostrar às pessoas quem você realmente é.”

Entrevista original

Luis Felipe X 124 54
Entrevistas Musical sunset boulevard
Sem Tags
Comentários fechados no momento