London_fogNS.jpg
PN014.jpg
PN013.jpg
PN012.jpg
PN011.jpg
PN010.jpg
PN009.jpg
PN008.jpg
PN007.jpg
PN006.jpg
PN005.jpg
PN004.jpg
O Portal Nicole é um fã site feito de fãs para fãs, não temos qualquer contato com a Nicole Scherzinger, ou com seus familiares e agentes. Os artigos e traduções publicados aqui são feitos pela equipe, e são de propriedade do site e qualquer reprodução, mesmo parcial deverá ser comunicada ao site antes de sua publicação. As imagens e vídeos publicadas no site, são de propriedade de seus criadores, divulgamos com o intuito de manter os fãs atualizados. Não temos a intenção de infringir qualquer direito. Antes de qualquer ação, por gentileza entrar em contato pelo nosso E-MAIL.
★★★★★: Sunset Boulevard é aclamada pela crítica
out 20 2023

Confira um compilado de destaques de algumas reviews 5 estrelas de Sunset Boulevard:

The New York Times
“Scherzinger acerta em cheio nas duas canções marcantes de Norma – uma em cada ato – tirando os óculos de sol enquanto eleva a desafiadora “With One Look” até as alturas e além. O equivalente no segundo ato, “As If We Never Said Goodbye”, cantado durante o retorno iludido de Norma à Paramount Pictures, começa de forma plangente, até mesmo terna, antes de crescer em um poderoso rugido. Scherzinger estende seus longos e sinuosos braços na direção da plateia, como garras em direção à presa. (…) E apesar de todas as referências ao passado, este “Sunset Boulevard” pertence ao aqui e agora. Não há vestígios de nostalgia na produção, que agarra um musical já estabelecido pela gola e o lança em direção aos tempos modernos.”

The Stage:
“Com seu design simples e desprovido de cenários, sua paleta noir em preto e branco, sua coreografia irregular e sinuosa, e seu uso inspirado de vídeo ao vivo, [a peça] é tão sombria e cintilante quanto um diamante negro e tão enxuta e letal quanto uma lâmina de estilete. A escolha do elenco para o papel principal da ex-Pussycat Doll e jurada do X-Factor, Nicole Scherzinger – uma popstar sensual agora na casa dos 40 anos – é um golpe de gênio, destacando nosso apetite desenfreado por fama e explodindo estereótipos sobre como as mulheres na meia-idade devem parecer, pensar, sentir e se comportar, enquanto nos confronta com nossa tendência persistente de impor uma data de validade às estrelas femininas.”

Evening Standard
“É uma atuação física e emocionalmente reveladora. Descalça em um vestido justo, Scherzinger muitas vezes está isolada no palco, contorcendo-se no chão ou tem sua estrutura óssea esculpida e olhos suplicantes ampliados em uma enorme tela. É um espetáculo de força, paixão pelo show bis e pela criação e destruição de ilusões. O glamour art déco do Teatro Savoy o torna o cenário perfeito. Eu diria que você deveria matar por um ingresso, mas Lloyd garantiu que os preços comecem baixos.”

Time Out
“Scherzinger oferece uma atuação inesperadamente perturbadora como uma mulher esvaziada pelas memórias de seus dias de glória. Ela parece mal existir quando Tom aparece inesperadamente em sua mansão, mas ganha vida diante das câmeras que transmitem imagens ao vivo para o telão. Nenhum dos outros personagens consegue ver as imagens, mas, em um movimento meta – um dos muitos no espetáculo – Norma [Nicole] é atraída por elas como uma mariposa para uma chama, fazendo caretas e exagerando. E, embora Scherzinger seja bonita, os closes extremos não a favorecem: com a iluminação soberba de Jack Knowles, ela parece velha, distorcida e até desumana em alguns momentos. O show é o triunfo de Lloyd e sua equipe criativa. Do ponto de vista puramente técnico, isso é simplesmente impressionante, fazendo um uso surpreendente de vídeo ao vivo: um grande reconhecimento aos designers de vídeo e cinegrafistas Nathan Amzi e Joe Ransom. Desde a deliciosa sequência de créditos de abertura falsos de filme, as imagens monocromáticas transmitidas no fundo do cenário são magníficas: parece ótimo, como um filme noir ao vivo, mas eles também parecem ter eliminado a latência entre a performance ao vivo e a transmissão, uma conquista genuinamente inovadora.”

Attitude
“Fazendo twerk, flertando e exagerando na interpretação das falas como a estrela do cinema mudo que Desmond costumava ser, Nicole faz algumas escolhas ousadas. Mas, então, este é um remake ousado e destemido. É como um espetáculo de horror à moda Grand Guignol que se desenrola na mente de Joe. Câmeras ao vivo aproximam-se para closes pouco lisonjeiros, projetados no telão. O mordomo de Norma, Max (um David Thaxton ameaçador), é uma presença sinistra com motivos obscuros. E como Joe, Tom Francis está fantástico – sexy e cínico, com uma abertura no segundo ato tão engenhosamente encenada que recebe uma ovação de pé. É um momento de bravura em um espetáculo que me deixou abalado e atordoado.”

Daily Mail
Nicole Scherzinger acerta em cheio desde o início. Qualquer dúvida que eu tinha sobre uma integrante das Pussycat Dolls interpretando [Norma Desmond] desapareceu. Na primeira canção, “With One Look”, vemos Scherzinger, no papel imponente de Norma, arrancar seus óculos de sol e, em um turbilhão de névoa no palco e holofotes brilhantes, soltar um arrebatador número musical. A plateia se levantou de pé. A estrela pop em declínio se transforma em ícone do cinema decadente, com perfeição dramática! Eu fiquei boquiaberto, perdendo um gole inteiro do meu gin tônica na camisa. Esqueça a produção noir exagerada original de Billy Wilder e as suntuosas produções deste musical de Andrew Lloyd Webber a que estamos acostumados. Aqui está um remake emocionante e surpreendentemente sombrio. Na minha opinião, este é o espetáculo do ano.”

London Theatre
“Scherzinger transmite de forma poderosa a dependência doentia de Norma pela câmera. Quando ela visita um set de filmagem e é atingida por um holofote, ela se banha nele como se fosse o sol da vida. Ela arrasa em “With One Look” e “As If We Never Said Goodbye”, e embora sua voz não seja muito controlada (ela atinge fortemente as notas graves, oscila na quebra, depois fica mais suave e engole as letras), há uma qualidade de “arriscar tudo” que de alguma forma funciona. Ela atinge as notas certas com um triunfo que lembra o estilo do X Factor.”

BroadwayWorld
“Scherzinger nunca soou melhor, trazendo riqueza e emoção direto do coração às músicas de Andrew Lloyd Webber. Sua versão de “As If We Never Said Goodbye” é extasiante, mas também insinua a natureza precária de sua mente. Ela demonstra claramente uma desintegração mental, uma mulher que não pode abrir mão de sua necessidade avassaladora de ser uma estrela, não importa qual seja o custo. É uma atuação muito física, e a presença de palco de Scherzinger é quase hipnótica. Além disso, ela não tem medo de equilibrar o melodrama com uma boa dose de humor auto-depreciativo.”


Tradução e adaptação: Equipe Portal Nicole

Luis Felipe X 118 54
Musical Review sunset boulevard
Sem Tags
Comentários fechados no momento