London_fogNS.jpg
PN014.jpg
PN013.jpg
PN012.jpg
PN011.jpg
PN010.jpg
PN009.jpg
PN008.jpg
PN007.jpg
PN006.jpg
PN005.jpg
PN004.jpg
O Portal Nicole é um fã site feito de fãs para fãs, não temos qualquer contato com a Nicole Scherzinger, ou com seus familiares e agentes. Os artigos e traduções publicados aqui são feitos pela equipe, e são de propriedade do site e qualquer reprodução, mesmo parcial deverá ser comunicada ao site antes de sua publicação. As imagens e vídeos publicadas no site, são de propriedade de seus criadores, divulgamos com o intuito de manter os fãs atualizados. Não temos a intenção de infringir qualquer direito. Antes de qualquer ação, por gentileza entrar em contato pelo nosso E-MAIL.
Attitude: Uma releitura audaciosa e corajosa do musical de Andrew Lloyd Webber
out 15 2023

Contém spoilers
Confira a review 5 estrelas da Attitude para Sunset Boulevard, traduzida e adaptada pela equipe do Portal Nicole:


“Nicole Scherzinger é destemida e extraordinária como Norma Desmond

Na minha opinião, a radical revisão de Evita de Jamie Lloyd no Regent’s Park Open Air Theatre em 2019 foi uma atrocidade. Reinventar shows já consagrados é aceitável quando se tem algo interessante a dizer, mas sua abordagem do clássico de Andrew Lloyd Webber e Tim Rice pareceu uma mudança pelo simples desejo de mudar, sem considerar a lógica. Quando Eva Peron, interpretada por Samantha Pauly, cantou “Don’t Cry For Me Argentina” na varanda da Casa Rosada apenas de lingerie, a etiqueta foi a única coisa que me impediu de gritar “O que diabos está acontecendo?” A produção destruiu tudo o que era ótimo no show, e eu a detestei.

No entanto, Lloyd Webber mesmo deve ter adorado, porque ele entregou Sunset Boulevard a Jamie para que ele fizesse o que quisesse. Eu arriscaria dizer que a trilha sonora, com letras de Don Black e Christopher Hampton, é a melhor do compositor, mas algumas músicas foram deixadas de lado. “The Lady’s Paying” e “Eternal Youth Is Worth a Little Suffering” foram ambas eliminadas, por motivos que logo ficam claros. Elas são excessivamente otimistas para a visão do diretor de Sunset como uma história de horror sobre fama e celebridade, onde até as canções alegres como “Let’s Have Lunch” e “This Time Next Year” são permeadas de pessimismo e frustração.

Scherzinger interpreta Norma como uma ex-estrela de Hollywood iludida que poderia desmoronar a qualquer momento.

Literalmente em preto e branco (assim como o filme de 1950 de Billy Wilder no qual o musical se baseia) até seu desfecho ensanguentado, a produção é impressionante. Se pouco do rearranjo de Evita fez sentido, aqui tudo está a serviço da história. Despojado de cenários e adereços, a luxuosa trilha sonora ganha destaque, e a narrativa de uma ex-estrela que gradualmente enlouquece em sua mansão é tão profundamente perturbadora quanto deveria ser.

Saindo de um saco de cadáveres, o roteirista em apuros Joe Gillis se lembra de como ele acabou na casa de horrores da rainha do cinema mudo Norma Desmond e ficou enfeitiçado por ela. O que não é difícil de acreditar quando se tem Nicole Scherzinger, sedutora e cativante, como protagonista. Desde sua entrada em câmera lenta, ela é extraordinária. Glenn Close exagerou no glamour da alta costura, mas, com um vestido preto simples e unhas pretas como azeviche, Scherzinger interpreta Norma como uma ex-estrela de Hollywood iludida que poderia enlouquecer a qualquer momento.

É como um show de horror do Grand Guignol”

Que ela arrasa com seus grandes números ‘With One Look’ e ‘As If We Never Said Goodbye’ é esperado. É a delicadeza com a qual ela canta ‘The Perfect Year’ e a maneira como lentamente, assustadoramente, se desvencilha que tornam a performance tão cativante. A corajosa exploração de Scherzinger da necessidade desesperada de Norma por fama e reconhecimento parece muito contemporânea, mesmo que as letras façam referência a Hollywood antigo, enquanto a encenação em branco e preto torna a história atemporal de arrogância e ego.

Twerking, flertando e exagerando as falas como a estrela do cinema mudo que Desmond costumava ser, Nicole faz algumas escolhas ousadas. Mas então esta é uma revisão ousada e corajosa. É como um show de horror do Grand Guignol que está se desenrolando na cabeça de Joe. Câmeras ao vivo aproximam-se para close-ups pouco lisonjeiros, projetados em telas gigantes. O mordomo de Norma, Max (um assustador David Thaxton), é uma presença ameaçadora com motivos obscuros. E como Joe, Tom Francis está fantástico – sexy e cínico, com uma abertura do segundo ato tão engenhosamente encenada que recebe uma ovação de pé. É um momento de bravura em um espetáculo que me deixou abalado e atônito.

Attitude

Luis Felipe X 66 52
Musical Notícias Review sunset boulevard
Sem Tags
Comentários fechados no momento