London_fogNS.jpg
PN014.jpg
PN013.jpg
PN012.jpg
PN011.jpg
PN010.jpg
PN009.jpg
PN008.jpg
PN007.jpg
PN006.jpg
PN005.jpg
PN004.jpg
O Portal Nicole é um fã site feito de fãs para fãs, não temos qualquer contato com a Nicole Scherzinger, ou com seus familiares e agentes. Os artigos e traduções publicados aqui são feitos pela equipe, e são de propriedade do site e qualquer reprodução, mesmo parcial deverá ser comunicada ao site antes de sua publicação. As imagens e vídeos publicadas no site, são de propriedade de seus criadores, divulgamos com o intuito de manter os fãs atualizados. Não temos a intenção de infringir qualquer direito. Antes de qualquer ação, por gentileza entrar em contato pelo nosso E-MAIL.
“Estou trazendo Scherzinger para a mesa” diz Nicole Scherzinger em entrevista ao The Guardian
out 01 2023

Nicole Scherzinger deu uma nova entrevista ao The Guardian, onde contou detalhes sobre Sunset Boulevard, escolhas da carreira e seu noivado com Thom Evans. Confira a entrevista completa e traduzida abaixo:

“Nicole Scherzinger, 45 anos, nasceu em Honolulu e foi criada em Kentucky. Ela começou a atuar aos 14 anos e estudou teatro musical na universidade. Ela vendeu mais de 60 milhões de discos em todo o mundo como vocalista principal da girlband Pussycat Dolls e como artista solo. Ela dublou a personagem Sina no filme da Disney “Moana”, estrelou na versão da ABC de “Dirty Dancing” e é jurada na edição dos Estados Unidos de “The Masked Singer”. Atualmente, ela interpreta Norma Desmond na revitalização de West End de “Sunset Boulevard”, de Andrew Lloyd Webber.

O que a convenceu a voltar ao teatro após uma década afastada?
Eu cresci amando teatro musical e fui para uma escola de artes cênicas, então sempre esteve em mim. A música é a melhor maneira que conheço para me comunicar. Por que não fazê-lo através do teatro, onde você tem a liberdade de se comunicar da maneira mais plena possível? Jamie Lloyd, o diretor, sabia que eu estava ansiosa para voltar e me pediu para encontrá-lo em Londres 18 meses atrás. Ele disse: “Tenho essa visão de você como Norma Desmond em Sunset Boulevard”. Eu fiquei tipo “O quê?” Então eu li o roteiro, ouvi a música e não houve volta atrás. Jamie teve a audácia de me ver nesse papel ousado e icônico. Eu cresci querendo ser Miss Saigon. Nunca sonhei que estaria interpretando alguém assim, mas de uma maneira completamente louca, faz todo o sentido.

Você já estava familiarizada com a história?
Eu sabia que Glenn Close tinha ganhado um Tony por isso. Ouvi a gravação dela e também a de Patti LuPone, porque sou uma grande fã dela também. E depois assisti ao filme e pensei: “Ei Jamie, precisamos conversar porque não sei se consigo fazer isso!” Ele disse: “Não assista ao filme! Isso não tem nada a ver com o que estamos fazendo!” Esta é a nossa interpretação da história. Estamos contando de novo. É um cenário moderno, não uma peça de época. Estou trabalhando muito duro. Tenho hematomas no corpo em lugares onde nunca tive antes.

Por que você está machucada?
Essa Norma está dançando, querida. Estou trazendo Scherzinger para a mesa. Estamos indo com tudo neste papel.

A história é relevante nos dias de hoje?
100%. Existem canções sobre como fazer sucesso em Hollywood que continuam sendo totalmente verdadeiras. Essa indústria é uma fera implacável. Eu sei como é ser a novidade do momento. Você pisca os olhos, o tempo passa e você pensa: “Uau, para onde tudo foi?” A geração mais jovem entra e de repente você está lutando para ser vista e ter uma voz. Eu ainda estou fazendo isso. Portanto, fala sobre o etarismo de Hollywood, mas também sobre como é difícil conseguir e manter qualquer emprego. No passado, Norma foi mal compreendida. Se alguém tem paixões e sonhos, e eles são tirados, isso deixa um vazio por dentro. Acredito que a maioria das pessoas pode se relacionar com isso.

Você costuma ir ao teatro com frequência?
Eu fico muito inspirada pelo teatro e tento ver o máximo de espetáculos possível. Recentemente, vi minha querida amiga JoJo em “Moulin Rouge!” na Broadway. Aqui em Londres, vi “Six”, que foi genial, e “Cabaret” me deixou completamente impressionada. Chorei no final. Mas eu choro com tudo. Chorei assistindo “Procurando Nemo”. Provavelmente é por isso que o Jamie me escalou, porque sou um caso emocional.

Você se afastou temporariamente de seu papel como jurada em The Masked Singer. Foi uma decisão difícil?
Devido à greve em Hollywood, eles mudaram as datas de produção, o que significava que eu tinha que escolher entre The Masked Singer e Sunset Boulevard. Eu escolhi este último. Quando Jamie Lloyd e Andrew Lloyd Webber batem à sua porta, é uma oportunidade que você tem que aproveitar.

Foi angustiante assistir aos incêndios florestais no Havaí à distância?
Vi nas notícias, mas só quando falei com minha família é que a realidade bateu. Chorei todas as noites antes de dormir. É uma catástrofe. Perdemos 97 pessoas e dezenas ainda estão desaparecidas, o que é devastador. Mas também é revoltante ver empresas tentando comprar a terra no dia seguinte, sem respeito pela humanidade. Portanto, há emoções mistas. Este trabalho é intenso, seis dias por semana, mas meu coração está lá. Todas as noites, me mantenho informada, fico conectada com minha família e faço o que posso de volta para casa.

Você se apresentou no Concerto da Coroação [do Rei Charles] neste verão. Como foi isso?
Uma das maiores experiências da minha vida. No Havaí, costumávamos ter nossa própria monarquia, que eu amava. Eu também adorava a Rainha [Elizabeth], então cantar na coroação de seu filho foi um sonho realizado. Tive a honra de dividir o palco no Castelo de Windsor com Lang Lang, o maior pianista de nossa geração, e a orquestra da Household Division. Isso me deu arrepios porque venho de uma família militar. Foi uma oportunidade única na vida, então dei o meu melhor.

É verdade que will.i.am te convidou para ser a vocalista principal feminina do Black Eyed Peas?
Sim, eu estava no mesmo programa de rádio que o Black Eyed Peas e era uma grande fã deles, então passei pelo camarim deles cantando uma de suas músicas. Eles vieram me procurar e disseram que me queriam no grupo deles. Meu noivo na época disse: “Não, ela está indo para carreira solo.” Mas tudo acontece por uma razão, porque Fergie se tornou a Pea perfeita e eu conheci minhas garotas, as Pussycat Dolls.

Você foi jurada no The X Factor por quatro temporadas. São lembranças felizes?
Sempre! Sinto falta disso. O Simon [Cowell] e sua noiva, Lauren, são como família para mim. Minha temporada favorita foi quando orientei James Arthur, que acabou vencendo, Jahméne Douglas e Rylan Clark. Vê-lo agora como um grande apresentador me deixa muito orgulhosa. Ainda me enviam o meme quando eu disse ao Rylan que ele havia passado para os shows ao vivo e ele chorou. É a coisa mais engraçada de todas. Foi na fase Judges’ Houses em Dubai. Saí, andei de camelo e quando voltei, ele ainda estava chorando. Também desempenhei um grande papel na formação do One Direction quando fui jurada convidada, o que às vezes tenho que lembrar o Simon! Fico muito feliz com o sucesso de todos esses meninos e desejo o melhor para eles.

Sua ética de trabalho vem da sua humilde origem?
Acho que sim. Crescer pobre é vergonhoso. Minha mãe comprava minhas roupas em vendas de garagem. Seus pais dirigem carros velhos e acabados, e você pensa: “Você pode me deixar a algumas quadras da escola?” Mais tarde, você percebe que são as raízes do que você é. Isso me deu a base, a garra, a determinação que tenho hoje. Não dou nada como garantido. Quando você vem do nada, precisa conquistar tudo, então você aprecia o que realmente significa.

Seu noivo, o ex-jogador de rúgbi da Escócia Thom Evans, te introduziu ao rúgbi?
Na verdade, ele fez isso. Provavelmente não deveria dizer isso, mas fiquei realmente orgulhosa de Fiji quando eles venceram a Inglaterra pela primeira vez neste verão. As ilhas polinésias não têm os mesmos recursos, então aquilo foi monumental para nós.

Você provoca o Thom por ter vencido o Dancing With the Stars enquanto ele ficou em décimo lugar no Strictly?
Não com muita frequência, mas ele sabe. Em parte porque tenho o enorme troféu em exibição na minha casa como um lembrete.

Você passou muito tempo morando no Reino Unido. Ainda há coisas que você acha estranhas aqui?
Seus banheiros! Não suporto eles. Parece que cada um tem um mecanismo de descarga diferente. Não deveria ser tão difícil. Também fico confusa com as estradas. É como dirigir em uma tigela de espaguete. Mas uma das minhas coisas favoritas são os assados de domingo. No último domingo, tive dois.

Os dois assados eram iguais?
Sim. Eu só como frango, com molho o suficiente para uma família inteira. Tive para o almoço e depois fui a outro lugar e tive para o jantar também. Por que não? Parece que estou em casa, reconfortante e acolhedor.

Você completou 45 anos neste verão. Como se sente em relação ao envelhecimento?
Sou muito abençoada. Estou fazendo coisas neste show que faria quando tinha 25 anos. A única diferença é que tenho que fazer aquecimentos extras todas as manhãs. A grande coisa que vem com a idade é a experiência de vida e a sabedoria. Ao mesmo tempo, você ainda não tem ideia do que está acontecendo.

Por fim, tenho que perguntar. Você está pronta para o seu close?
Estou chegando lá! Todos os dias nos ensaios eu estava aprendendo coisas novas, o que me dá uma sensação incrível. No primeiro dia, o Jamie disse: “Só peço uma coisa, e é para ser aberta. Todos os dias você precisa ser corajosa o suficiente para ser completamente vulnerável.” É muito mais fácil falar do que fazer. Mas prometo a você, estarei pronta para o meu close.

Sunset Boulevard está em cartaz no Savoy Theatre, em Londres, até 6 de janeiro de 2024.

Luis Felipe X 111 48
Entrevistas Musical sunset boulevard
Sem Tags
Comentários fechados no momento